Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Biologia dos Pais


A relação entre pai e filho mudou em menos de 30 anos.
Durante a década de 70 o tempo médio que os pais gastavam em atividades com seus filhos era de apenas 15 minutos. Hoje são cerda de 2 horas. Essa é mais uma curiosidade no comportamento humano que, muda rapidamente ao longo do tempo, tudo porque possui uma consciência avançada. Claro, isso também é responsável por toda nossa cultura, que muda de local para local e de tempos em tempos. Entretanto, ainda somos movidos pelos mesmos princípios biológicos e somos constituídos de um sistema endócrino que regula nossos hormônios, algo que já ocorre há muito tempo e não é questão de cultura.

Uma coisa que não mudou muito ao longo de milhares de anos de evolução é o instinto paterno. Antes de iniciar este texto com seu conteúdo principal, ou seja, "os pais frente aos filhos numa abordagem biológica", devemos lembrar que o comportamento do ser humano, também denominado "etologia" é resultado também da interação hormonal em seu corpo. Não basta apenas a cultura e os valores locais e atuais ditando as regras de boa conduta, mas os hormônios que se contrabalanceiam no corpo também são importantes para a relação entre um pai e um filho.

Na natureza podemos observar sem grande esforço ou estudos detalhados que o macho sempre é mais agressivo que a fêmea e isso se deve aos hormônios em níveis diferentes em cada gênero. Isso ocorre também, naturalmente, com o ser humano. O homem possui mais testosterona que, além de definir um instinto mais agressivo, também é responsável por conferir ao homem um aspecto físico mais rígido. Isso é fato, tanto é que se uma mulher tomar testosterona ela também adquirirá semelhante característica.

Quando um homem se torna pai, estudos recentes apontaram que o ele tem uma mudança hormonal assim como a mulher, não tão evidente, mas interessante e isso explica algumas mudanças de hábito e comportamento que vemos no gênero masculino, mas até então ignorado e, devido a isso, não compreendido completamente.  Ao segurar o próprio filho, o homem procura traços que indiquem a paternidade porque, diferentemente da mulher, o homem não tem, em seu íntimo, a certeza absoluta se é o pai ou não. Essa reação é inevitável e todo pai que se preze a terá mesmo que inconscientemente.

O homem também possui hormônios que não são restritos somente à mulher, ele possui em níveis baixíssimos, como a prolactina, por exemplo, que é o hormônio responsável pela produção de leite para a amamentação dos filhos. Nos recentes estudos um pai teve seu sangue analisado antes e após segurar seu filho e os resultados mostraram que houve um aumento de 20% na prolactina e redução considerável da testosterona. Não foram mudanças suficientes para o homem se comportar como mulher, mas isso foi suficiente para uma mudança comportamental que fez relaxar seus nervos instintivamente. Isso foi interessante para a ciência entender como funcionam exatamente os laços paternos.

Sabe-se que um filho pode correr risco de lesões ou até de morte se tiver um pai descontrolado ao seu lado com um índice normal ou alto de testosterona. Acredita-se que isso foi uma forma da evolução natural lidar com a segurança da prole e não colocar em risco a sobrevivência da espécie. Vale ressaltar, fugindo um pouco do foco, que "seleção natural" é citada aqui como a teoria mais provável para a vida como a conhecemos hoje com a diversidade biológica tanto física quanto etologicamente.

Os estudos revelaram que um homem, ao segurar um bebê que não seja seu, simplesmente demonstra um comportamento bem neutro. Segura a criança de qualquer jeito, o seu choro não faz sentido e pode até ser desagradável. O pai volta a ter seus hormônios estabilizados com o passar dos meses, mas a mudança hormonal pela qual passou permitiu que adquirisse experiência e habilidade para seguir na criação do filho sem grandes riscos.

Na educação, foi verificado que os filhos gostam mais dos pais porque são mais divertidos. Os pais são mais objetivos e usam um vocabulário mais complexo o que desperta atenção dos filhos que estão em busca de conhecimentos. Por isso os pais são vistos como professores, enquanto as mães são vistas como protetoras. Se um pai solteiro e uma mãe solteira criam seus filhos sozinhos, os pais se saem melhores na educação que requerem regras.

As regras impostas pelo pai são para tornar um filho apto ao mundo dos adultos. É comum um pai ao educar um filho que usa muito computador dizer que muitos sites não são educativos e não oferecem formação profissional. Por outro lado uma mãe diria que o uso descontrolado do computador impediria uma boa relação com a família. Notem que enquanto as mães se preocupam com sentimentos, os pais se preocupam com leis.

Outros estudos surpreendentes tornaram evidentes características específicas em filhas adolescentes que não tiveram a presença do pai durante essa fase da vida. Fotos de um grupo de garotas de pai ausente foram mescladas assim como as de um grupo de garotas de pais presentes na adolescência e o resultado foi surpreendente. A foto da mistura de garotas de pais ausentes resultou em uma mulher mais madura assim como já aparentava na foto individual. Ficou claro que a presença dos pais interfere no desenvolvimento biológico da filha que, na sua ausência, amadurecem e até menstruam mais cedo.

Além disso, os parceiros que as filhas escolhem para um relacionamento são fisicamente ou tem personalidades semelhantes as de seus pais. Novamente um estudo usou fotos para isso onde um grupo de garotas teve de associar fotos de pais com fotos de parceiros e isso mostrou uma relação influenciada pela presença dos pais na juventude.

Todos os estudos feitos recentemente para a melhor compreensão da relação entre um pai e seus filhos mostraram que a psicologia humana é delineada pela educação que receberam. É claro que existem os fatores genéticos, mas a presença ou não de um pai na formação de um indivíduo apto para viver em sociedade é de grande importância. Vale repetir que a sociedade é resultado de uma cultura com diversas influências ao longo do tempo, mas a influência paterna é de vital importância.

Para saber mais vejam o documentário, de mesmo nome, abaixo. O qual serviu de base para este artigo.


Nenhum comentário: